#12

The Morphophonology of Evaluative Suffixes in Brazilian Portuguese

Camila Ulrich

Talk

Portuguese


In this work we discuss the morphological and the phonological status of evaluative suffixes in Brazilian Portuguese. Our main goal is to describe some characteristics related to the morphological processing and to the acoustic realization of words derived by these constituents.

At the morphological level, we defend that, while the derivational suffixes join the root, the evaluative suffixes are linked to the theme/word, as previously discussed in Villalva (1994), Lee (1995), Schwindt (2000) (eg. p[ó]rquinha ‘pig.FEM,DIM’, coraç[õe]zinhos ‘hearts.DIM, PL’, n[ó]víssimos ‘new.SUP, PL’). In addition to being linked to a larger structure, they can occur as free/truncated forms and have a more peripheral position. We propose, then, a lexical decision task in which we contrast accuracy and reaction time in different types of suffixed words (eg. sentimento ‘feeling’/certamente‘certainly’), in order to investigate possible processing differences between these structures.

Regarding the phonological level, we assume that some affixes of the language are presented phonologically as syllables integrated to the base and others have their own stress and can be classified as independent prosodic words. The non-occurrence of phonological processes, such as the neutralization of pretonic vowels (eg. (ex. b[é]lob[é]linho, ‘beautiful’ – ‘beautiful.DIM’), assibilation (eg. pacien[t]epacien[t]inho, ‘patient’ – ‘patient.DIM’) and velar softening (eg. morfólo[g]omorfolo[g]inho, ‘morphologist’ – ‘morphologist.DIM’), serves as an argument for the thesis of prosodic independence. Because prosodic words bear a primary stress, we propose a production experiment in which we analyze aspects of the duration in syllables involved in the process, since this parameter has been shown to be the most robust correlate for the identification of stress in Brazilian Portuguese (MASSINI, 1991; BARBOSA, 2006).

Examining the behavior of these affixes at both levels will allow us to describe and map the non-isomorphism between morphology and phonology regarding to evaluative suffixation. 



A morfofonologia dos sufixos avaliativos

Neste trabalho discutimos o estatuto morfológico e o estatuto fonológico dos sufixos avaliativos em português brasileiro. Nosso objetivo geral é descrever características relacionadas ao processamento morfológico e à realização acústica de palavras derivadas por estes constituintes.

No plano morfológico, mostramos que, enquanto os sufixos derivacionais em geral unem-se à raiz, os sufixos avaliativos são ligados ao tema/à palavra, conforme discutido em Villalva (1994), Lee (1995), Schwindt (2000) (ex. p[ó]rquinha, coraç[õe]zinhos, n[ó]víssimos). Além de estarem ligados a uma estrutura maior, podem ocorrer como formas livres/truncadas e apresentam ordenamento mais periférico. Propomos, então, um experimento de decisão lexical em que contrastamos valores de índice de acerto e tempo de resposta em diferentes tipos de palavras sufixadas (ex. sentimento/certamente), a fim de investigarmos possíveis diferenças de processamento entre essas estruturas.

Em relação ao plano fonológico, pressupomos que alguns afixos da língua apresentam-se fonologicamente como sílabas integradas à base e outros possuem acento próprio e podem ser classificados como palavras prosódicas independentes. A não ocorrência de processos fonológicos, como a neutralização das vogais pretônicas (ex. b[é]lob[é]linho), a assibilação (ex. pacien[t]epacien[t]inho) e o abrandamento velar (ex. morfólo[g]omorfolo[g]inho), serve como argumento para a tese de independência prosódica. Por palavras prosódicas serem portadoras de acento primário, propomos um experimento de produção em que analisamos aspectos da duração das sílabas envolvidas no processo, visto que este parâmetro tem se mostrado como o correlato mais robusto para a identificação do acento em português (MASSINI, 1991; BARBOSA, 2006).

O exame do comportamento desses afixos nos dois planos permitirá descrever e mapear o não isomorfismo presente entre morfologia e fonologia no que se refere à sufixação avaliativa.

Keywords:

morphology, morphophonology, evaluatives, Brazilian Portuguese, experimental morphology, lexical decision task

SPONSOR

twl_round_nobackground.png
  • Facebook
  • Instagram

©2020 The Word Lab